Realizadora Convidada 2017 – Ciclo Leonor Noivo


Leonor Noivo

Leonor Noivo estudou Arquitectura e Fotografia antes de ingressar na Escola Superior de Teatro e Cinema em 1997, onde s especializou em Montagem e Realização. Em 2006 completou o Curso de Realização de Documentário dos Ateliers Varan na Fundação C. Gulbenkian.

Desde 1999 é anotadora e assistente de realização em filmes de ficção e documentários, tendo trabalhado com realizadores como João Pedro Rodrigues, José Nascimento, João Salaviza, João Nicolau, João Dias, Pedro Pinho, Tiago Hespanha, Luísa Homem, Frederico Lobo, André Godinho, João Vladimiro, Inês Oliveira, Pedro Caldas, Rui Simões, Sol de Carvalho,
João Botelho, entre outros.

Colaborou com diversos criadores da área do espectáculo, na criação de conteúdos e instalação de vídeo, com companhias como o Cão Solteiro, Teatro Praga, Clara Andermatt, João Garcia Miguel ou Companhia Caótica. Integrou as equipas de formação dos cursos de Realização de Documentário com a Associação Corredor (Açores) em 2010 e com a Produtora Vende-se Filmes, no projecto KeLiKela com jovens moradores do Casal da Boba (Amadora) em 2011. Deu formação no acompanhamento de projectos no curso de Cinema do Ar.Co coordenado por Luísa Homem em 2014 e 2015, e actualmente lecciona a cadeira de Montagem coordenada por Carlos Braga no Curso Superior de Som e Imagem na ESAD.

Em 2008 cria a produtora TERRATREME FILMES juntamente com João Matos, Luísa Homem, Pedro Pinho, Susana Nobre e Tiago Hespanha. Desde aí tem desenvolvido, a par da realização, o seu trabalho como produtora na coordenação e acompanhamento de projectos de ficção e de documentário.

Realizou os filmes Macau Aparte (doc, 2001), Salitre (fic, 2005), InsideOut(doc, 2005), Assembleia (doc, 2006), Aeroporto (instalação, 2006), Excursão (doc, 2007), Santos dos Últimos Dias (doc, 2009), EB 26 (doc, 2009), Outras Cartas ou o Amor Inventado (doc, 2012), A Cidade e o Sol (fic, 2012), Capeia (instalação, 2015), Setembro (fic, 2016). Actualmente tem o documentário Raposa em fase de desenvolvimento e prepara a escrita de uma longa-metragem de ficção.


EXCURSÃO – Leonor Noivo, Portugal, 2007, doc. 24′ 14 outubro — sáb. — 18h30

O folheto prometia um dia fantástico de diversão numa excursão que nos levaria
a passear pelo país. A viagem, só para pessoas com mais de 25 anos, incluía também um delicioso almoço, brindes e uma “demonstração de artigos para o lar e saúde”. Imperdível, dizia o folheto.

OUTRAS CARTAS OU O AMOR INVENTADO,Leonor Noivo, Portugal, 2012, doc. 52′ 15 outubro — dom — 21h30

“Outras Cartas ou o Amor Inventado” parte da obra literária colectiva das três Marias escrita nos anos 70 e serve-se dela como pretexto para um pequeno inventário, um processo ou um estudo para encontrar algo que não tem absoluto alcance, que está sempre em movimento, que nunca se detém, em nenhuma vida, em nenhuma época.

SETEMBRO – Leonor Noivo, Portugal, 2016, doc. 37′ 14 outubro — sáb. — 18h30

Mãe e filho regressam ao seu país, à sua cidade, ao seu passado, depois de anos passados no exterior. Eles tomam caminhos divergentes para recuperar o que foi perdido. O filho na procura de um pai ausente. A mãe procura a possibilidade do amor. A partir desse confronto nasce um novo gesto – o início de uma metamorfose, um reencontro num tempo e espaço que é apenas deles.

TUDO O QUE IMAGINO – Leonor Noivo, Portugal, 2007, doc.| Fic. 32′ 14 outubro — sáb. — 18h30

Fim da adolescência, fim da escola, o último verão antes do mundo do trabalho para um grupo de amigos no bairro de Alcoitão, ‘’BDA’’. Sem adultos por perto, há a ilusão que se pode fazer o que se quer. André improvisa o rap como improvisa a vida, na procura de um caminho que o deixe mais livre, tenta fugir do que lhe é próximo e do que conhece, mas nunca conseguirá sair de si próprio.

4/dAAUoZR4fmSg85ZKrk8M70EOvQOg0yxF0W3HL4YjUm22rQ-pmEIxwYE