Ciclo Realizadora Convidada 2015- Salomé Lamas



Salomé Lamas

Salomé Lamas (1987, Lisboa) estudou Cinema em Lisboa e em Praga, tirou um MFA em Amesterdão e é doutoranda em estudos fílmicos na Universidade de Coimbra. O seu trabalho tem-se centrado na imagem em movimento e sido exibido tanto em espaços artísticos como festivais de cinema. Após realizar algumas curtas, a sua primeira longa-metragem TERRA DE NINGUÉM estreou internacionalmente na Berlinale (Forum) e foi exibida em vários outros festivais centrais. Lamas é bolseira da MacDowell Colony, do Rockefeller Foundation Bellagio Center, e do DAAD Berliner Künstlerprogramm.


VHS – VIDEO HOME SYSTEM

VHS – VIDEO HOME SYSTEM – Portugal, 2010-2012, doc., exp. 39’ – 2 e 3 outubro, Auditório Municipal

Como posso eu mentir que estou a dormir e ser mais rápida que o meu corpo? – “Mas não foi muito violento, ou foi?” Ela ficou na cama a repetir que estava dorminhoca durante 40 minutos. “eu quis que fosse quase como um mantra e que gerasse tensão.

O desenho bordado mapeia a relação entre uma mãe e uma filha. Tempo passado e presente se todo o tempo é eternamente presente, todo o tempo é irredutível.

“Foi um exercício para a escola, eu usei o que me era próximo, o que era doméstico e tu eras parte disso.” Catorze anos passaram. Eu pego nas suas imagens. Eu forço-a a que me responda. Ela é a mãe. Ela é a filha. Ela é a minha mãe.

Terra de Ningúem

TERRA DE NINGUÉM – Portugal, 2012, doc., 72’ 3 outubro, sáb., 21h30

Paulo oferece retratos sublimados das crueldades e paradoxos do poder assim como das revoluções que o depuseram, apenas para erguer novas burocracias, novas crueldades e paradoxos. O seu trabalho como mercenário encontra-se na franja destes dois mundos.

A COMUNIDADE

A COMUNIDADE – Portugal, 2012, doc. 23’ 3 outubro, sáb., 16h30

“A Comunidade” é um documentário focado no CCL, o mais antigo parque de campismo em Portugal.

THEATRUM ORBIS TERRARUM

THEATRUM ORBIS TERRARUM – Portugal, 2013, doc., exp. 26’ 3 outubro, sáb., 16h30

“Quando olho o mar durante muito tempo, perco interesse no que se passa em terra”

A TORRE

A TORRE – Portugal – Germany – Moldavia, 2015, doC. doc., exp. 8’ 3 outubro, sáb., 16h30

Talvez a experiência de Kolja de subir ao topo da árvore, de metamorfosear o seu corpo (humano) com a árvore (natureza) aventurando-se na fronteira da terra com o céu, venha confirmar a sua pureza de espírito, a grandi- osidade dos idiotas ou a imbecilidade dos místicos. Ou será tudo isto junto? Talvez seja um sintoma dos iluminados ou somente um suicídio elaborado.

4/dAAUoZR4fmSg85ZKrk8M70EOvQOg0yxF0W3HL4YjUm22rQ-pmEIxwYE