Juri 2022

JÚRI 2022

Patrícia Ascensão

Natural do Alentejo, é Doutorada em Ciências da Comunicação (2021), na especialidade de Estudos dos Média e do Jornalismo, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Concluiu a licenciatura em História e Arqueologia (2001), a pós-graduação em Práticas Culturais para Municípios (2008) e o mestrado em Jornalismo, Comunicação e Cultura (2015).

A sua experiência profissional centra-se nos campos da consultoria, investigação, formação e ensino no setor cultural e criativo, em particular no âmbito dos estudos dos média e jornalismo; da gestão e programação cultural; da comunicação de cultura e estudos de receção; de desenvolvimento de públicos e mediação cultural; da valorização e dinamização do património cultural.

Desempenhou funções de coordenação na divisão cultural em contexto autárquico e esteve responsável pela programação de espaços e equipamentos culturais. Foi ainda a gestora e responsável do processo de implementação do SGQ no setor cultural em contexto autárquico.

Atualmente é professora auxiliar convidada na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e professora adjunta convidada na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre. É ainda consultora nas áreas da cultura, das artes, do património cultural e das indústrias criativas e investigadora no ICNOVA – Instituto de Comunicação da Nova (NOVA FCSH), onde colabora em vários projetos e grupos de investigação na área das Ciências da Comunicação. É membro do Observatório de Inovação nos Média na mesma instituição.

São José Correia

Nasceu em Lisboa, 1974, tendo iniciado a sua formação e atividade teatral profissional na Companhia de Teatro de Almada onde interpretou O Carteiro de Neruda, encenação de Joaquim Benite, Esse Tal Alguém, encenação de Rogério de Carvalho, O Jogador, encenação de Vladislav Pazi, Príncipe Constante, encenação de Jorge Listopad, Mãe Coragem, encenação de Joaquim Benite e O luto vai bem com Electra, encenação de Rogério de Carvalho.

Com o Teatro Aberto integra o elenco do espetáculo Luz na Cidade, encenação de João Lourenço, Agora a Sério, encenação de Pedro Mexia.

Com a Escola de Mulheres, Dentadas e Marcas de Sangue, encenação de Isabel Medina, entre outras. Worms, de Rui Neto e Huis Clos, de Jean-Paul Sartre, ambos encenação de Rui Neto.

Participa regularmente em telenovelas e séries – Ninguém Como Tu, Olhos nos Olhos, Santa Barbara, Equador, Sinais de Vida, Sim Chef!, Até que a Vida nos Separe, entre outros.

Em cinema, foi dirigida por realizadores como José Farinha (O Inimigo sem rosto), António Pedro Vasconcelos (Os Imortais), Miguel Ángel Vivas (I ́ ll see you in my dreams), João Botelho (A mulher que acreditava ser presidente dos EUA), Raul Ruiz (Os mistérios de Lisboa), Artur Serra Araújo (A moral Conjugal) e Gianluca Gargano (Rapiscimi). A partir de 2013, iniciou o seu percurso na realização com as curtas-metragens Uma Noite na Praia, Quando Era Pequenina Sonhava com Palhaços, João Salomão e Coração Revelador.

Susana Viegas

Susana Viegas é Investigadora em Filosofia do Cinema no IFILNOVA, Universidade NOVA de Lisboa. Doutorou-se em Filosofia (Estética) pela Universidade NOVA de Lisboa em 2013 com uma dissertação sobre a filosofia do cinema em Gilles Deleuze tendo recebido uma bolsa de investigação atribuída pela FCT (2007-2011). Foi bolseira de pós-doutoramento na Universidade de Dundee e na Universidade Deakin (2014-2019). É coeditora e fundadora da “Cinema: Revista de Filosofia e da Imagem em Movimento” e atualmente investiga a relação da filosofia com a pintura, o cinema e a morte.