Júri


Filomena Cautela

Nasceu em 1984. Actriz e apresentadora de televisão.

Iniciou a carreira em 2001 com a peça Antígona, encenação do professor Paulo Vaz (Externato Marista de Lisboa), encenador que em 2002 voltou a dirigi-la em Se o Amor For Outra Coisa, de Pedro Paixão. Ainda no teatro, A Noite dos Assassinos, encenada por António Pires, Agosto em Osage, encenada por Fernanda Lapa, Janis e a Tartaruga e Mil Olhos de Vidro, de Luísa Pinto, O Libertino de José Fonseca e Costa, O Dia dos Prodígios de Cucha Carvalheiro, Ilhas e Convento da KARNART, O Solene Resgate e Menos Emergências do Teatro do eléctrico entre muitas outras.

No cinema participou em curtas-metragens como Night Shop e O Destino do Sr. Sousa de João Constâncio e em longas metragens como Viúva Rica Solteira Não Fica, longa-metragem de José Fonseca e Costa, Linhas de Sangue de Sérgio Graciano e Manuel Pureza, entre outras.

Em televisão, participou em BocageMundo Meu, A VingançaConta-me Como Foi ou Cidade Despida e inumeras séries da SIC, TVI e RTP.

Protagonizou dobragem em inúmeros filmes de animação e locução.

Foi a primeira VJ Feminina da MTV Portugal.

Na RTP2 fez o programa Fá-las Curtas, o magazine cultural Agora  e fez parte do elenco residente do Vale Tudo

Em 2015, regressou à apresentação do talk-show da RTP1, 5 Para a Meia-Noite onde se mantém até hoje.

Em 2018 apresentou a final do Festival da RTP da Canção 2018, na RTP e o Festival Eurovisão da Canção 2018.


Patrícia Vasconcelos

Nasceu em Lisboa em 1966 e viveu fora do país entre 1976 e 1988. Lança-se como “Casting Director” em 1989. É responsável pelo casting de inúmeros filmes, nacionais e estrangeiros, programas e séries para a televisão, bem como de mais de uma centena de filmes publicitários. Em cinema, trabalhou com inúmeros realizadores tais como: Marco Martins (“Alice”), Raul Ruiz (“Mistérios de Lisboa”), Joaquim Leitão (“A esperança está onde menos se espera”), António-Pedro Vasconcelos (“A Bela e o Paparazzo”), Luís Filipe Rocha (“Sinais de Fogo”), Carlos Silva e George Sluizer (“Mortinho por Chegar a Casa”), Richard Curtis (“Love Actually”), Leonel Vieira (“Zona J)”, Patrice Chereau (“La Reine Margot”), Carlos Coelho da Silva (“O Crime do Padre Amaro”), entre outros.

Em televisão destaca-se o seu trabalho para os telefilmes da SIC, entre outros: “Amo-te Teresa”, “Facas e Anjos”, “Mustang”, “Alta Fidelidade”, “Lampião da Estrela”, “Aniversário”, etc… Ultimamente tem, em parceria com a RTP, realizado castings das séries e telefilmes: “Inspector Max” , “Conta-me Como Foi”,  “O Mistério da Estrada de Sintra”, “1986”, entre outras.

Ao longo dos anos tem sido convidada a ensinar Técnicas de Casting na Escola Superior de Teatro e Cinema, Academia Contemporânea do Espectáculo no Porto, e diversas agências de manequins. No verão de 2000 organizou juntamente com Elsa Valentim os Act – Workshops Iniciação às Técnicas do Actor para Cinema e Televisão, iniciativa essa que deu origem à ACT – Escola de Actores fundada em 2001.

Em 2010 realizou o seu primeiro documentário sobre Raul Solnado, para a RTP. Autora e apresentadora do programa televisivo “Sei Quem Ele É”, transmitido pela RTP1 em 2016.

É fundadora e membro da Direcção da Academia Portuguesa de Cinema, onde, entre outras iniciativas, criou e desenvolveu o projecto Passaporte,  cuja segunda edição decorreu em 2017, dando a conhecer os actores portugueses a reconhecidos casting directors de todo o mundo.

É, desde 2016, membro da Casting Society of America (CSA).


Rodrigo Oliveira

Nasceu em 1978, Sintra. Vive e trabalha em Lisboa. Licenciatura em Artes Plásticas – Escultura na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (1997/2003) e mestrado no Chelsea College of Art & Design, Londres (2006). Em 2013 vence a bolsa de estudo da Fundación Botin, Santander/Madrid, Espanha.

Expõe individualmente desde 2003 de onde se  destacam: Utopia /Distopia Part II _  MAAT Museu, Lisboa (2017); De lá Ville à  lá Villa:  Chandigarh Revisited,  Le Corbusier  Villa  Savoye  Poissy,  Paris (2016); ESPLANADE: Utopia at plateau and an indian Brasília, Galeria Filomena Soares, Lisboa (2016); Projecto Parede, no MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo (2013); Coisas de Valor e o Valor das Coisas, no Cosmocopa – Arte Contemporânea, no Rio de Janeiro (2011); A primeira pedra (e todas as outras mais), no Museu do Chiado, Lisboa (2011).

Participou em diversas exposições coletivas, tais como: Cor+Labor+Ação, Caza Arte Contemporânea, Rio de Janeiro (2011); ResPública 1910 – 2010 face a face, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (2010); A Culpa Não é Minha, Museu Berardo, Lisboa (2010); Where are you From? Contemporary Portuguese Art, Faulconer Gallery, Grinnel, Iowa, USA (2008); Eurobuz, Agorafolly – Europália European Festival, Place de la Chapelle, Brussels (2007); and There’s no place like home, Homestead Gallery, Londres (2006).

O seu trabalho encontra-se presente em diversas colecções públicas: Fundação EDP; Museu do Chiado; Fundação PLMJ (Lisboa); Coleção PCR (Lisboa); Coleção António Cachola (Elvas); e Peggy Guggenheim Museum (Veneza).

4/dAAUoZR4fmSg85ZKrk8M70EOvQOg0yxF0W3HL4YjUm22rQ-pmEIxwYE